Menu

Série O Globo / Dell’Arte Concertos Internacionais 2017

Patrice Nin Prioritaria Patrice Nin Prioritaria

Em sua 24ª edição, a Série O Globo/Dell’Arte Concertos Internacionais está de volta a partir de abril deste ano. Oito atrações internacionais, reunindo a nata da música clássica, serão apresentadas no Theatro Municipal do Rio de Janeiro até o mês de novembro: uma mescla de artistas já consagrados com alguns dos mais notáveis expoentes da jovem geração de músicos. São três orquestras sinfônicas, uma formação de câmara, três estrelas do piano mundial e um contratenor que vem encantando o público em suas apresentações mundo afora.

A Série inicia-se em abril com o aclamado contratenor Philippe Jaroussky, hoje um dos nomes mais importantes da cena lírica internacional, detentor de prestigiosos prêmios da música, que estará se apresentando com a Orquestra de Câmara Le Concert de la Loge. Em maio, quem chega ao país é o britânico Benjamin Grosvenor, um dos pianistas jovens mais notáveis da atualidade. Sua única passagem pelo Brasil aconteceu em agosto de 2006, quando o pianista, então com 14 anos, apresentou-se no Municipal ao lado da Orquestra Sinfônica Brasileira.

Primeiro conjunto sinfônico da Série neste ano, a Prague Philharmonia volta ao país em junho, trazendo como solista a prestigiada violinista Rebekka Hartmann, considerada um dos mais notáveis valores da nova geração do violino. Outro destaque, a YOA Orchestra of the Americas, integrada por jovens instrumentistas provenientes de 26 países, apresenta-se em agosto, com regência do mexicano Carlos Miguel Prieto e tendo como convidada a violinista Nadja Salerno-Sonnenberg.

Ainda em agosto, apresenta-se o húngaro András Schiff, considerado um dos maiores pianistas em atividade, e que recentemente passou a atuar também como maestro. Em outubro, chega a L’Orchestre National du Capitole de Toulouse, uma das mais celebradas formações orquestrais da França, trazendo dois convidados, o jovem pianista Bertrand Chamayou e a trompetista francesa Lucienne Renaudin-Vary. No começo de novembro, é a vez da Cappella Mediterranea, um aclamado conjunto camarístico que vem encantando as plateias da Europa nos últimos anos e que pela primeira vez se apresenta no Brasil.

Encerrando a série, no dia 22 de novembro, o maior pianista brasileiro da atualidade e um dos mais brilhantes do mundo: Nelson Freire. A apresentação, aliás, tem um sabor comemorativo: exatamente no dia 22 de novembro de 1956, 61 anos atrás, Nelson Freire, então com 12 anos, fazia o seu primeiro recital no Rio de Janeiro, no foyer do Theatro Municipal.

SERVIÇO:
Local: Theatro Municipal - Praça Floriano, S/N – Centro
Data: 19 de abril
Horário: confira na programação


As atrações
PHILIPPE JAROUSSKY
19 de abril, quarta-feira – 20h
Philippe Jaroussky, contratenor Le Concert de la Loge
Árias de Händel para Castrati
Detentor dos prestigiosos prêmios “Victoires de la Musique” (2004, 2007 e 2010) e “Echo Klassik” (2008), Philippe Jaroussky é hoje um dos nomes mais importantes da cena lírica internacional. Com uma técnica brilhante e um timbre de beleza incomum, Jaroussky tem um repertório com ênfase nos períodos Barroco e Pré-clássico, além de incursões no repertório moderno. Em nossa série, o contratenor se apresentará com a orquestra de câmera francesa Le Concert de la Loge.
BENJAMIN GROSVENOR
21 de maio, domingo – 17h
Benjamin Grosvenor, piano
Schumann Arabesque em Dó maior, op. 18 Mozart Sonata Nº 13, K. 333 Beethoven Sonata Nº 14– “Sonata ao Luar”, op. 27, nº 2 Scriabin Sonata Nº 2 – “Sonata Fantasia”, op. 19 Granados de “Goyescas”, op. 11: 1. Los Requiebros e 3. El fandango de Candil Liszt “Rhapsodie Espagnole”
Segundo o crítico Bryce Morrison, da revista Gramophone, Grosvenor “pode ser considerado o mais notável dos jovens pianistas da atualidade”. O britânico tem sido reconhecido internacionalmente por suas interpretações eletrizantes e criteriosas, e por um domínio virtuosístico dos mais complexos desafios técnicos. Para o crítico de The Independent, sua sonoridade é “poética e suavemente irônica, brilhante, mas analítica, inteligente, mas não desprovida de humor, tudo isto traduzido por um toque lindamente claro e cantante”.
PRAGUE PHILHARMONIA
22 de junho, quinta-feira – 20h
Prague Philharmonia Milan Turkovic, regente Rebekka Hartmann, violino
Smetana A Noiva Vendida (Abertura) Sibelius Concerto Para Violino e Orquestra em Ré Menor, Op. 47 Dvořak Sinfonia Nº 9 Em Mi Menor – “do Novo Mundo”, Op. 95
Fundada em 1994 com o nome de Philharmonia de Câmara de Praga, pelo famoso regente Jiří Bëlohlávek, a Prague Philharmonia trouxe um novo sopro ao cenário da música tcheca. Ela não tardaria a tornar-se uma das mais respeitadas orquestras de um país pródigo em tradição musical. Milan Turkovic, que se notabilizou como um dos maiores fagotistas da atualidade, passou a dedicar-se também à regência nas duas últimas décadas, tendo conduzido as principais orquestras do mundo. Rebekka Hartmann é hoje considerada um dos mais notáveis valores da nova geração de violinistas e possui, segundo a crítica, uma técnica e um cuidado musical que lhe permite interpretações imaculadas e perfeitas.
YOA ORCHESTRA OF THE AMERICAS
3 de agosto, quinta-feira – 20h
Yoa Orchestra of the Americas Carlos Miguel Prieto, regente Nadja Salerno-Sonnenberg, violino
Copland El Salón México Piazzolla Las Cuatro Estaciones Porteñas Stravinsky Pétroushka – Cenas Burlescas em Quatro Quadros
Para o crítico de The New York Times, “o futuro da música clássica foi apresentado no Wolf Trap National Park for the Performing Arts, e pareceu muito promissor. [...] As execuções foram notáveis pelo profissionalismo, precisão do conjunto e afinação, e, sobretudo, por sua energia aparentemente ilimitada”. A orquestra, que já angariou prestígio internacional, é integrado por jovens músicos altamente dotados do ocidente, provenientes de 26 países diferentes. A YOA Orchestra of the Americas será conduzida pelo mexicano Carlos Miguel Prieto, maestro altamente conceituado nos Estados Unidos. Considerada também uma das mais importantes violinistas da atualidade, Nadja Salerno-Sonnenberg é a solista convidada desta turnê da orquestra.
ANDRÁS SCHIFF
19 de agosto, sábado – 16h
András Schiff, piano
Bach - Sinfonias Nº 1 a Nº 15 (invenções a Três Vozes) Bartók - Suíte op 14 Sz 65, Szabadan Sz 81 (Ao ar livre) Janáček - Sonata “1º de Outubro de 1905” Em Mi Bemol Menor Schumann - Sonata Nº 1 em Fá Sustenido Menor, op. 11
Um dos intérpretes mais aclamados de Bach, Schubert, Mozart e Schumann, Schiff nasceu em Budapeste. O pianista trabalhou com boa parte das principais orquestras e regentes do mundo, atuando também como maestro, apresentando-se todos os anos com a Philharmonia de Londres e a Orquestra de Câmara da Europa, entre outras. András Schiff conquistou numerosos prêmios internacionais, sendo o mais recente deles o Prêmio “KlavierFestival Ruhr”. Foi finalista do “Leeds International Pianoforte Competition” (1975) e entre suas premiações destacam-se um Grammy, na categoria de “Best Instrumental Soloist Performance” (1990), a Medalha em Memória de Claudio Arrau (1994), os prêmios “Kossuth” (1996), “Léonie Sonning” (1997) e o Prêmio Bach da Royal Academy of Music (2007).
L'ORCHESTRE NATIONAL DU CAPITOLE DE TOULOUSE
30 de outubro, segunda-feira – 20h Turgan Sokhiev, regente Bertrand Chamayou, piano Lucienne Renaudin-Vary, trompete
Shostakovich – Abertura de Festa Shostakovich - Concerto Nº 1 para piano, trompete e cordas, Op. 35 Debussy - La Mer Stravinsky - O Pássaro De Fogo, Suíte, edição de 1919
Formado nos anos 60 a partir da fusão da Orchestre du Capitole e da Orchestre Symphonique de Toulouse-Pyrénées, o conjunto, hoje integrado por 125 músicos, não tardou a conquistar uma posição de destaque no cenário internacional. Isto se deve, em grande parte, ao trabalho desenvolvido pelo maestro Michel Plasson, que esteve por 35 anos à frente da orquestra, da qual é hoje Regente Honorário. Em 2005 a direção musical foi assumida por Tugan Sokhiev, que insuflou notável dinâmica à formação, conduzindo-a em aclamadas turnês por todos os continentes. O jovem pianista Bertrand Chamayou é detentor de dois “Victoires de la Musique Classique”. Hoje com apenas 17 anos, a trompetista francesa Lucienne Renaudin-Vary conquistou o “Victoire de la Musique Classique” de 2016, na categoria Revelação Solista Instrumental.
CAPPELLA MEDITERRANEA
12 de novembro, domingo – 17h
Cappella Meiterranea Leonardo Garcia Alarcón, regente
Monteverdi - L'Orfeo
Fundado em 2005 pelo regente argentino Leonardo Garcia Alarcón, o conjunto deixa patente, a partir de seu próprio nome, a paixão pela música da bacia do Mediterrâneo. Sua proposta: apresentar um enfoque diferente da música Barroca e da tradição latina. Passados mais de dez anos, seu repertório foi ampliado e diversificou-se, com a Cappella Mediterranea passando a explorar o madrigal, o moteto polifônico e a ópera. Essa mistura de gêneros resultou em um estilo único, caracterizado por uma relação excepcionalmente estreita entre o regente e seus músicos.
NELSON FREIRE
22 de novembro, quarta-feira– 20h
Nelson Freire, piano
Programa a ser anunciado
Mais importante pianista brasileiro da atualidade, Nelson Freire conquistou o status de um dos mais brilhantes do mundo, sendo aclamado em toda parte, quer por suas apresentações lotadas, quer por suas premiadas gravações. Começou a carreira no Brasil, mas sua grande estreia aconteceu aos 23 anos, em Londres, em apresentação louvada por toda a crítica. O sisudo Times não hesitou em chamá-lo de “o jovem leão do piano”. No ano seguinte faria sua estreia nova-iorquina com a New York Philharmonic, extraindo do crítico da revista Time o seguinte comentário: “Um dos maiores pianistas desta ou de qualquer outra geração!” Hoje, mais de cinco décadas após sua estreia, Nelson já tocou em mais de 70 países e suas gravações obtiveram as mais altas honrarias da indústria fonográfica, com uma coleção de “Diapason d’Or”, “Grand Prix du Disque”, “Victoire d’Honneur”, “Edison Award” e “Gramophone Awards”.




Última modificação emQuarta, 08 Fevereiro 2017 09:00
voltar ao topo