Menu

O que a música une, nada separa Destaque

Divulgação Divulgação

Basta conhecer quem gravou um CD para querer ouvi-lo e comprovar que ali há ouro em pó. E quando você saca que as músicas que lá estão superam as expectativas e o que se previa bom vira ótimo...?

Pois bem, assim é Cumplicidade (Fina Flor), gravado por Ivan Lins e Gilson Peranzzetta em comemoração a seus 44 anos de amizade. O CD traz composições de diversos períodos da carreira de Ivan, ele que cantou, tocou teclado e criou os efeitos vocais, enquanto Peranzzetta ficou a cargo dos arranjos e do piano acústico. O que se ouve é música tocada com um brilho nos olhos. Em vários momentos, juro!, eu vi a alegria estampada em seus rostos.

E ouvi a felicidade: ela brotava do peito de cada um dos dois camaradas. Ouvi o orgulho: ele vinha de um para o outro. Ouvi a festa: nela, celebravam muito mais do que suas trajetórias vitoriosas. E ouvi a cumplicidade: unidos por ela, os dois deram-se a um arrebatamento que só a música propicia.

Mas foram duas mulheres que deflagraram a realização do projeto: Valéria Lins, esposa de Ivan, que não só deu o nome ao CD como principalmente teve a ideia de unir os dois craques, e Eliana Peranzzetta, esposa de Gilson e produtora do álbum. A elas os dois devem o reconhecimento de suas forças.

Em "Abre Alas" (Ivan e Vitor Martins) Ivan dobra a voz. Peranzzetta esbanja bom gosto. O suingue se multiplica com o teclado de Ivan. Os dois brilham no intermezzo.

A intro de "Setembro" (Ivan e Gilson) é delicada como a canção. Ivan faz vocalizes com a bela melodia. Sua voz vem com reverber, talvez em demasia. Voz e piano brotam emocionados.
É bonito de se ver que estão registradas várias parcerias de Ivan com o grande Vitor Martins: "Temporal", por exemplo, é dele, Ivan e Gilson. Piano e teclado se completam. A voz de Ivan soa firme.

"Lembra de Mim" (Ivan e Vitor) inicia com o assobio de Ivan. Os versos se embaralham por entre as quatro mãos de Ivan e Gilson.

Em "Madalena"* (Ivan e Ronaldo Monteiro), Ivan faz percussão com a voz. O piano improvisa num belo intermezzo até um ralentando fechar a tampa.

"Vitoriosa" (Ivan e Vitor) tem o piano de Gilson e o teclado de Ivan marcando a intro. Peranzzetta escreveu um arranjo à altura da beleza da música.

"Somos Todos Iguais nessa Noite" (Ivan e Vitor) vem com Peranzzetta e Ivan arrasando na interpretação, cheia de jovialidade.

 Em "Ai, Ai, Ai, Ai" (Ivan e Vitor), eles parecem crianças com brinquedo novo. O suingue da salsa brasileira é contagiante. Ao repetir o refrão, os dois deliram nos improvisos.

Eu (ou)vi dois homens felizes. Impossível não os aplaudir pela amplitude com que usufruem de seus talentos. É como se dissessem: nossa música pode mais do que espalhar encantos, ela ilumina a beleza de uma amizade que rompe o tempo.

Aquiles Rique Reis, vocalista do MPB4

*Perguntei e Ivan respondeu que Rolando Faria – cantor do MAU (Movimento Artístico Universitário), do qual Ivan fez parte – foi o criador do "ô-ma-ô-mada-ô-madale-ô-madale-le-le-le-na", refrão que marcou "Madalena.


voltar ao topo