Menu
Luís Pimentel

Luís Pimentel

Luis Pimentel é jornalista e escritor, com mais de 50 livros publicados em diversos gêneros. Trabalhou em diversas redações de jornais e revistas e atualmente mantém uma coluna semana no jornal O Dia do Rio Janeiro.
Edita a revista eletrônica Musica Brasileira.

URL do site: http://luispimentel.acontecenacidade.com.br

Feliz Ano Novo

A turma se reuniu para uma confraternização de Ano Novo no bar de sempre, nas imediações da faculdade. Estavam em 1968, a ditadura militar afiava os dentes para a guerra. O ano que não terminou teve início feroz e ficou a cada dia pior, mas eles eram amigos, todos muito jovens, cheios de disposição, saúde e projetos. Cinco rapazes e a Sylvinha, a linda Sylvinha, que participava de todos os assuntos – inclusive futebol e mulher – e bebia igual a todos eles, adorava todos eles, não dava para nenhum.

Natalinas

Natalinas

Papai Noel suava de dar pena, a roupa imprópria para os trópicos colada ao corpo e a barba de algodão começando a virar uma pasta ensebada. Gritava Hô! hô! hô! hô! pelas ruas do Centro, pra lá e pra cá. Hô! hô! hô! hô!, com o saco vermelho às costas, cheio de papel amassado e caixas de presente vazias, o que aumentava mais ainda a sensação insuportável de calor.

A cara do Rio

1 - Caminhando pela Rua Uruguaiana, sou abordado pelo garoto que distribui aqueles papelins de propaganda de casas de massagem, cheios de fotos de mulher pelada:
     – Aí, tio! Cabeça branca paga meia.
     A cara do Rio, né não?
 

Odes a gosto

Há quem diga que agosto é mês de desgosto, palavra agourenta, gosto amargo na alma por conta de coincidência de notícias ruins. Não creio nem penso assim. Prefiro encarar o bom e velho agosto como um mês igual a outro qualquer, capaz de nos seus trinta, trinta e um, vinte e nove ou até mesmo vinte e oito dias trazer notícias boas e notícias ruins, escancarar fatos bons, ruins ou nem tanto, começar e passar como passam os dias, a despeito da previsão dos tempos ou dos templos.

Assinar este feed RSS