Menu
Luís Pimentel

Luís Pimentel

Luis Pimentel é jornalista e escritor, com mais de 50 livros publicados em diversos gêneros. Trabalhou em diversas redações de jornais e revistas e atualmente mantém uma coluna semana no jornal O Dia do Rio Janeiro.
Edita a revista eletrônica Musica Brasileira.

URL do site: http://luispimentel.acontecenacidade.com.br

A bala, essa que fala (Uma crônica em versos)

A bala, essa que estala, chega sempre de surpresa (mesmo quando encomendada e anunciada) no quarto, no corredor ou na sala. A bala em traje de gala não desarruma o cenário. A bala despida se aloja às escondidas, na contramão. No peito, na cabeça ou mesmo no coração. Não adianta implorar, correr, chorar.

Saudades dos meus botequins

 No Buteco do Jisus, em Botafogo, eu perguntava (só de sacanagem, porque o cardápio era sempre o mesmo):
     “Alípio, o que tem tem hoje?”
     “Você escolhe. Bife ou frango. Arroz e feijão acompanha. Pode ser com ligume ou com virdura.”
     “O que é o legume, Alípio?”
     “Ligume é ligume, oxente! Batata, chuchu e cenoura.”
     “E a verdura?”
     “Virdura é virdura. Alface, tumate e cibola.”
     “Pode vir também um ovo?”
     “Pode. Mas aí é fora à parte...”
*************************************************************************************************************************

Feliz Ano Novo

A turma se reuniu para uma confraternização de Ano Novo no bar de sempre, nas imediações da faculdade. Estavam em 1968, a ditadura militar afiava os dentes para a guerra. O ano que não terminou teve início feroz e ficou a cada dia pior, mas eles eram amigos, todos muito jovens, cheios de disposição, saúde e projetos. Cinco rapazes e a Sylvinha, a linda Sylvinha, que participava de todos os assuntos – inclusive futebol e mulher – e bebia igual a todos eles, adorava todos eles, não dava para nenhum.

Natalinas

Natalinas

Papai Noel suava de dar pena, a roupa imprópria para os trópicos colada ao corpo e a barba de algodão começando a virar uma pasta ensebada. Gritava Hô! hô! hô! hô! pelas ruas do Centro, pra lá e pra cá. Hô! hô! hô! hô!, com o saco vermelho às costas, cheio de papel amassado e caixas de presente vazias, o que aumentava mais ainda a sensação insuportável de calor.

Assinar este feed RSS